Saiba tudo sobre as unhas em gel

A maioria das mulheres gosta de cuidar bem das unhas e mantê-las sempre bonitas, não é mesmo? Por esse motivo, a indústria da beleza está sempre investindo em novidades de unhas para agradar as consumidoras mais exigentes e, também para oferecer mais praticidade. Entre as novidades que fizeram e ainda faz sucesso com muitas mulheres, podemos destacar as unhas de gel, que foi lançada para substituir as famosas unhas postiças.

Para fazer o alongamento, são usadas as tips, que são unhas postiças coladas somente na pontinha da unha natural. Uma vez colocadas, a usuária pode tirar a cutícula e esmaltar as unhas normalmente, pois o removedor de esmaltes não estraga a aplicação. “Para retirar o alongamento, é preciso ir ao salão, pois a remoção é feita com um solvente específico para amolecer o gel”, afirma a especialista.

A aplicação também precisa ser feita por um profissional, já que requer a cabine de luz UV para secar.

Como é feita a unha gel?
A aplicação as unhas em gel necessita que se aplique um tipo específico de gel por cima da unha natural. Essa técnica, quando feita por um bom profissional, consegue oferecer maior durabilidade de unhas fortes, do tamanho que queremos e com brilho, ainda que não esteja pintada.

Qual é a diferença entre a unha de gel e a de porcelana?
Existe uma diferença entre unhas de gel e de porcelana. Ambas as técnicas fazem o alongamento das unhas, porém, o que diferencia uma da outra é o material utilizado. A unha de porcelana que é mais antiga e é muito conhecida no Brasil, é feita com um líquido e um pó acrílico, que deixa a unha um pouco “arenosa” e áspera. Entretanto, se a profissional por realmente boa, a unha de porcelana pode ficar bem fina e delicada. Já a unha de gel é uma técnica mais moderna, que tem a função de modelar a unha perfeitamente, através de uma cabine de luz ultravioleta. Por isso, as unhas de gel deixa o acabamento mais bonito e natural.

Quanto custa?
O preço normalmente varia entre R$ 150 e R$ 180. Alguns sites também oferecem a possibilidade de comprar kits para fazer unha de gel.

A manicure do salão In Beauty Luxury, Paula Páscoa, respondeu algumas perguntas para esclarecer as principais dúvidas sobre os procedimentos:

  1. Posso trocar o esmalte? Ele pode ser tirado com acetona?
    Sim, tranquilamente. Ao contrário do que muitas clientes pensam, acetona não agride a unha em gel e ainda tira o esmalte sem tirar o brilho.
  2. Posso aplicar esmalte em gel nas unhas em gel?
    Nunca! O esmalte em gel não pode ser aplicado na unha em gel, pois são feitos do mesmo material e ao remover o esmalte, a unha também pode ser removida, o que acaba com o procedimento realizado.
  3. Por que o alongamento de porcelana causa o surgimento de “degraus”, diferente do alongamento em gel?
    O alongamento em gel não chega a encostar-se à cutícula, por isso, o crescimento da unha natural acontece homogeneamente, já a porcelana encosta, por isso, favorece o surgimento das ‘falhas’.
  4. Preciso estar com as unhas polidas para fazer o alongamento?
    Não, pelo contrário. Quanto mais lisa a superfície menos aderência da unha que será aplicada. Às vezes, é aconselhável até passar uma lixa suavemente para deixá-las menos lisas e mais porosas.
  5. Devo tirar as cutículas antes ou após o procedimento?
    Sempre após. Durante o procedimento a cutícula ajuda a proteger a pele dos dedos e evita a sensibilidade e irritações.
  6. Quanto tempo dura o alongamento em gel?

Cerca de 30 dias. O ideal é deixar que saiam naturalmente, pois ao tentar forçá-las para tirar antes do prazo as unhas naturais podem ser prejudicadas.

Pavimento permeável pode minimizar enchentes

Já existem no mercado poderosos revestimentos que ajudam a evitar enchentes: são os pavimentos permeáveis. Essas coberturas, quando utilizadas corretamente na área externa da casa, permitem a absorção quase que total da água, evitando a formação de poças e impedindo que a água retorne à superfície.

Como funciona

O pavimento permeável consiste em uma camada superficial de rolamento, aplicada sobre camadas de materiais de alta porosidade, capazes de reter água. Os benefícios ambientais vão além de abastecer os lençóis freáticos e evitar alagamentos. Esse sistema funciona como um filtro (da mesma forma que a terra durante o processo natural) e retém na superfície as impurezas e substâncias tóxicas presentes na água. Ele também diminui a pressão dos sistemas de esgoto em áreas urbanas onde toda a água e resíduos precisam escoar durante uma chuva forte. Ele também auxilia no controle de inundações e da poluição. Entretanto, os custos, às vezes, são extremamente altos. Escavar ruas e substituir o concreto não são tarefas simples. O ideal é começar o processo de planejamento de permeabilidade durante a fase de planejamento de um projeto.

Esta técnica, que pode minimizar ou até acabar com as consequências negativas geradas pelas enchentes, tem um único malefício: “pesa no bolso” dos governos. A instalação de todo o sistema custa 25% a mais do que o asfalto comum.

Os cuidados na instalação

Os revestimentos permeáveis podem ser instalados sobre qualquer solo que se tornou impermeável. No entanto, para obter o efeito desejado, é preciso antes preparar o terreno, colocando algumas camadas de brita e areia. Não adianta instalar o pavimento permeável diretamente sobre cimento ou asfalto, pois ele não conseguirá absorver corretamente a água da chuva, tendo em vista que não haverá espaço para seu armazenamento, nem a possibilidade de escoamento posterior para as galerias subterrâneas.

Outra vantagem dos revestimentos permeáveis é a ligação à sistemas de armazenagem de água, permitindo que todo o líquido absorvido durante a chuva possa ser tratado e utilizado posteriormente em casas e residências. Assim, o reaproveitamento da água poderia ser feito de forma simples, evitando seu desperdício e ajudando famílias a economizar um pouco mais.

Tendo em vista a crescente utilização dos pavimentos permeáveis, as fábricas tem investido bastante no design dos produtos, que já podem ser encontrado em variadas cores e formatos, contribuindo bastante para o embelezamento de calçadas e jardins e tornando as casas mais eficientes e sustentáveis.

Apesar de todos os prós ainda existem ressalvas, segundo o engenheiro da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras Afonso Virgilis o pavimento permeável não é indicado para ser usado nas ruas de grande movimento, já que não é resistente ao tráfego pesado e repetitivo dos veículos. Por esse motivo, a ideia é de que o pavimento permeável seja utilizado em áreas de estacionamento.

Virgilis destacou que o pavimento permeável não é a solução para todos os problemas de alagamento em São Paulo. Segundo ele, as áreas críticas onde há enchentes costumeiras necessitam de outras medidas. O pavimento permeável, entretanto, pode ajudar a evitar que a água desça para esses locais que costumam ser mais baixos. Ele disse ainda que esse tipo de pavimento não é ideal para locais onde a água fica enlameada já que as partículas entopem o material.

Solução sob medida

Já existem pavimentos permeáveis em utilização no Japão, Bélgica, Alemanha e nos EUA. O projeto finlandês teve o mérito de destacar a necessidade de adaptação do conceito às condições climáticas específicas de cada área de utilização, de forma a reduzir custos e maximizar a absorção de água.

No Brasil, os pesquisadores estudam as normas para a utilização do pavimento e formas de incentivar os proprietários de grandes áreas a realizarem a obra. Entre as sugestões estão abatimentos no Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU).

O custo do asfalto permeável é de 20 a 22% mais alto do que o utilizado hoje, porém a durabilidade é bem maior, estipulada em até 60 anos.

Veja como funciona:

https://www.youtube.com/watch?v=pNJRl6jR8jI

Como foi inventada a internet?

Podemos dividir a história da humanidade em três importantes eras: agrícola, industrial e digital. Na era digital a sociedade tem recebido o nome de “sociedade da informação”, aquela cuja cultura e economia dependem essencialmente da tecnologia, da comunicação e da informação. Em tese, todos participam de alguma maneira da interação, compartilhando o conhecimento com base nas informações que possuem.

Através da convergência tecnológica, o processo de troca de comunicação é muito facilitado. Hoje podemos processar informações variadas em uma só forma: a forma digital. Diferentes aparelhos são multifuncionais, fazendo uso somente de um pequeno chip. Através de celulares, por exemplo, acessamos a Internet, ouvimos rádio e músicas em formato mp3, enviamos e-mails, fotos, vídeos e mensagens curtas de texto (SMS), entre tantas outras funções.

A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria. Criada com objetivos militares seria uma das formas das forças armadas norte-americanas de manter as comunicações em caso de ataques inimigos que destruíssem os meios convencionais de telecomunicações. Nas décadas de 1970 e 1980, além de ser utilizada para fins militares, a Internet também foi um importante meio de comunicação acadêmico. Estudantes e professores universitários, principalmente dos EUA, trocavam ideias, mensagens e descobertas pelas linhas da rede mundial.

A ARPANET – primeira versão da internet – funcionava através de um sistema conhecido como chaveamento de pacotes, que é um sistema de transmissão de dados em rede de computadores no qual as informações são divididas em pequenos pacotes. O ataque soviético nunca veio, mas o que o Departamento de Defesa dos EUA não sabia era que estavam dando início ao maior fenômeno midiático do século 20, o único meio de comunicação que em apenas quatro anos conseguiria atingir cerca de 50 milhões de pessoas.

Protocolos de comunicação

Para que a difusão de dados entre diferentes redes fosse possível, era necessário que todos os computadores conectados estivessem “falando a mesma língua”. Assim, nascia o Network Control Protocol, um conjunto de regras e procedimentos que tinha como objetivo padronizar a maneira como a comunicação eletrônica é desempenhada.

Mais tarde, o NCP seria substituído pelo mais sofisticado TCP, que tinha a vantagem de garantir que tudo o que fosse transmitido chegasse por completo ao destino, mesmo que houvesse quebras no meio do caminho. A versão aprimorada deste protocolo, chamada TCP/IP, é a mesma utilizada até hoje.

O conjunto de redes gerenciadas pelo laboratório Cyclades, na França, também teve uma participação importante no desenvolvimento da rede global. Como o orçamento dessa instituição era mais limitado se comparado ao do DARPA, a equipe desenvolveu uma forma de permitir a comunicação direta entre um emissor e um receptor através da rede, mas com o mínimo de intervenção possível dos demais computadores. Nascia o conceito de roteadores.

Desenvolvimento da Internet 

Foi somente no ano de 1990 que a Internet começou a alcançar a população em geral. Neste ano, o engenheiro inglês Tim Bernes-Lee desenvolveu a World Wide Web, possibilitando a utilização de uma interface gráfica e a criação de sites mais dinâmicos e visualmente interessantes. A partir deste momento, a Internet cresceu em ritmo acelerado. Muitos dizem, que foi a maior criação tecnológica, depois da televisão na década de 1950.

A década de 1990 tornou-se a era de expansão da Internet. Para facilitar a navegação pela Internet, surgiram vários navegadores (browsers) como, por exemplo, o Internet Explorer da Microsoft e o Netscape Navigator. O surgimento acelerado de provedores de acesso e portais de serviços online contribuíram para este crescimento. A Internet passou a ser utilizada por vários segmentos sociais. Os estudantes passaram a buscas informações para pesquisas escolares, enquanto jovens utilizavam para a pura diversão em sites de games. As salas de chat tornaram-se pontos de encontro para um bate-papo virtual a qualquer momento. Desempregados iniciaram a busca de empregos através de sites de agências de empregos ou enviando currículos por e-mail. As empresas descobriram na Internet um excelente caminho para melhorar seus lucros e as vendas online dispararam, transformando a Internet em verdadeiros shoppings centers virtuais.

Nos dias atuais, é impossível pensar no mundo sem a Internet. Ela tomou parte dos lares de pessoas do mundo todo. Estar conectado a rede mundial passou a ser uma necessidade de extrema importância. A Internet também está presente nas escolas, faculdades, empresas e diversos locais, possibilitando acesso às informações e notícias do mundo em apenas um click.

Você sabia?

Os browsers (navegadores de Internet) mais usados na atualidade são:

– Internet Explorer

– Firefox

– Ópera

– Google Chrome

Principais sistemas e aplicativos de Internet dos últimos anos:

– Segunda metade da década de 1990: ICQ (comunicador on line), Messenger (comunicador on line), Ebay (espécie de mercado virtal), Google (sistema de busca), Yahoo! (sistema de busca), Napster (troca de músicas), Netflix (sitema de vídeos on line).

– 2002 – lançamento do Xbox Live: plataforma de jogos on line da Microsoft, que usa a rede de Internet.

– 2003 – lançamento do Skipe: para ligações telefônicas pela rede da Internet.

– 2004 – lançamento de duas redes sociais: Orkut e Facebook.

– 2005 – lançamento do Youtube (sistema de compartilhamento de vídeos pela Internet).

– 2006 – lançamento do Twitter (rede social voltada para a troca de mensagens rapidas).

– 2009 – lançamento do WhatsApp (aplicativo de troca de mensagens, fotos e vídeos por smartphone).

– 2010 – lançamento do Instagram (rede social de compartilhamento de fotos).

– 2011 – lançamento do Snapchat (aplicativo para smartphone de troca de mensagens, através de imagens).

– 2012 – lançamento do Tinder (plataforma voltada para encontrar pessoas que buscam encontros românticos).

Acesso a Internet no Brasil (dados):

– Em 2014, 54,4% da população brasileira (acima de 9 anos) tiveram acesso a Internet (fonte: Pnad 2014 – IBGE).

– Em 2014, 77,9% dos brasileiros (acima de 9 anos) acessaram a Internet através de um aparelho smartphone.

Novos donos querem demolir mansão de Escobar em Miami

Uma mansão na cidade americana de Miami Beach que pertenceu ao narcotraficante colombiano Pablo Escobar será demolida por seu atual dono, que busca dinheiro e joias que possam estar escondidos nas paredes e pisos, segundo disse à AFP.

O fundador e gerente geral da empresa Chicken Kitchen, Christian de Berdouare, e sua esposa, que adquiriram o imóvel em 2014, empreenderam a tarefa de derrubar as divisórias e erguer partes da casa na busca por algum depósito de dinheiro, antes de demolir a mansão, informou a emissora de televisão local “7News”.

Vamos demolir a casa e isto deve levar entre duas e três semanas”, disse Christian de Berdouare na mansão, uma grande construção cor-de-rosa, atualmente bastante deteriorada, mas situada em um exclusivo bairro com uma impressionante vista da baía Biscayne e dos arranha-céus do centro de Miami.

O casal não descarta a possibilidade de encontrar uma surpresa na mansão do fundador do Cartel de Medellín que foi confiscada pelas autoridades americanas no final do anos 1980 e, posteriormente, abandonada por seu proprietário anterior.

De Berdouare, que comprou a casa por US$ 10 milhões, disse à emissora que “muita gente na Colômbia sabia que todos os traficantes de drogas costumavam esconder muito dinheiro em suas casas para seu uso pessoal”.

Poderia ser um corpo, pelo que sabemos, ou pode ser dinheiro, ou talvez ouro e diamantes”, comentou.

Pablo Escobar visitou em algumas ocasiões a casa de Miami Beach, que adquiriu em 1980 por 250.000 dólares em dinheiro vivo. Por anos, houve muita atividade durante a noite, quando entravam e saíam muitas embarcações desde o pier da propriedade, disse De Berdouare.

Escobar, o maior narcotraficante que já houve na Colômbia, foi morto em 2 de dezembro de 1993 sobre um telhado de Medellín, deixando 50.000 vítimas para trás, segundo números da ONG Colômbia com Memória.

O narcotraficante, amo e senhor de Medellín durante mais de uma década até sua morte, possuía várias propriedades nos Estados Unidos que foram desapropriadas.

Como escolher uma impressora laser colorida

O investimento em uma nova impressora deve levar em consideração não somente o custo do dispositivo, mas quanto será gasto em tinta. No mercado, existem dois tipos mais comuns: cartuchos e toners. Os toners são usados em impressoras a laser que, em geral, estão mais presentes em empresas do que em casa, por ser uma impressora mais cara. Porém, em longo prazo, o uso do toner pode ser benéfico.

Hoje em dia existem dezenas, se não centenas, de opções de impressora a laser para se comprar. São diversos fabricantes e cada um deles possui um vasto leque de produtos, cada qual focado em atender uma necessidade de mercado específica.

Nem sempre a melhor marca e modelo é a melhor escolha para você. Caso você faça uma má escolha na hora de sua aquisição você enfrentará alguns pormenores, tais como: altos custos de manutenção e impressão, sua produtividade cairá ao invés de aumentar, problemas de desempenho com as impressões entre outros.

Dicas para escolher melhor a sua impressora

Se você tem interesse em manter uma impressora que seja caseira para pequenos tipos de impressões de última hora ou documentos organizadores, uma impressora que seja mais simples de modelo jato de tinta é a solução. Este tipo de máquina permite uma maior economia com toda a durabilidade de tinta, além de oferecer uma série de vantagens de recarga de tinta na impressora.

Se você busca uma impressora que deve levar em conta todos os fluxos de impressões, é importante se ter o cuidado nos custos por página, como o toner, feito por sua máquina levando em conta uma tinta utilizada onde tem um papel, a energia elétrica, os tempos de impressão, e ainda vários outros fatores.

Uma impressora laser colorida que trabalha com toner é ideal para um número de impressões maiores, isto não é a base de tinta e sim de um toner em pó, se utilizando de um processo de impressão diferenciado através de puras leis de física que poderão se aquecer o papel e transferir o conteúdo do seu documento para a folha em meio aos seus cilindros.

impressora laser color com toner é ideal para quem realiza muitos impressos internos, documentos a serem assinados, encaminhados, escaneados, uma impressora a laser de pequeno porte, mesmo que conte com um toner pequeno solucionam boas necessidades corporativas.

E por isso procure avaliar o seu uso de impressões, dentre os fatores e escolha a impressora correta de toner para as suas necessidades, e seja assim totalmente assertivo em sua compra.

Alguns fatores decisivos na hora de comprar

Resolução

Existem duas resoluções comuns para impressoras: 600 dpi e 1200 dpi. Quanto maior a resolução, mais nítidas serão as impressões. Se você precisa principalmente imprimir documentos de texto, a resolução de 600 dpi é suficiente. Mas, para imprimir imagens e gráficos, as impressoras com resolução 1200 dpi são mais indicadas.

Marcas

Há diversas marcas de impressoras disponíveis no mercado, como HP, Canon, Epson, Samsung, Lexmark, entre outras. Nós sugerimos que você adquira uma marca que ofereça suprimentos, peças e assistência técnica fáceis de encontrar.

Drivers

A maioria das impressoras é vendida juntamente com CDs para a instalação dos drivers necessários para o Windows. Mas, caso você esteja usando um Mac ou o Linux, verifique isso antes de comprar.

Recargas

Aconselhamos a compra de cartuchos originais. Evite fazer recargas com cartuchos remanufaturados, pois eles podem anular a garantia da impressora. Para conhecer alguns modelos de cartuchos originais, clique aqui. Se você quiser usar um cartucho qualquer de um terceiro, verifique antes, no site da fabricante da impressora, as marcas recomendadas.

. Se você quiser usar um cartucho qualquer de um terceiro, verifique antes, no site da fabricante da impressora, as marcas recomendadas.

A cerveja e seus tipos

Antes de começar a falar sobre cerveja, seria interessante defini-la para que não haja dúvidas sobre o que ela é: Cerveja é uma bebida alcoólica carbonatada, produzida através da fermentação de materiais com amido, principalmente cereais maltados como a cevada e o trigo.

Seu preparo inclui água como parte importante do processo e algumas receitas levam ainda lúpulo e fermento, além de outros temperos, como frutas, ervas e outras plantas.

As cervejas são classificadas pelo teor de álcool e extrato, pelo malte ou de acordo com o tipo de fermentação.

São tantos os tipos e subtipos de cerveja que fica difícil, para muita gente, escolher qual ou quais experimentar (sempre com moderação, claro). As conhecidas Pilsen, Ale, Ice, Stout e Bock são apenas algumas das cervejas oferecidas atualmente em bares, restaurantes e festas.

Para não fazer feio na frente do garçom, conheça aqui alguns tipos de cerveja e suas características mais comuns.

Saiba mais a respeito de cada uma delas:

Cervejas de alta fermentação – tipo Ale

De sabor adocicado, encorpado e frutado, a cerveja tipo Ale é produzida a partir de cevada maltada e levedura de fermentação alta. Esse processo, mais antigo, fez com que as Ale fossem as únicas cervejas disponíveis até meados do século 19, época em que surgiu a cerveja de baixa fermentação.

Para experimentar: Brown Ale, IPA e Blond Ale.

Pilsener ou Pilsen

A cerveja do tipo Pilsener ou Pilsen nasceu em Pils, na Tchecoslováquia, em 1842, e é a mais conhecida e consumida no mundo. De sabor delicado, leve, clara e de baixo teor alcoólico (entre 3% e 5%), é também a preferida dos brasileiros.

No Brasil, o consumo da Pilsen – a que mais se adequa ao nosso clima – chega a 98% do total ingerido.

Para experimentar: American Macro Lager, Bohemian Pilsner e Doppelbock.

Stout

Originária da Irlanda, a stout é feita com cevada torrada e possui um sabor que associa o amargo do lúpulo ao adocicado do malte. É elaborada com maltes especiais – escuros – e extrato primitivo de 15%. A fermentação é geralmente alta. Sua cor é escura e seu teor de álcool e extrato são altos.

Para experimentar: Baden Baden Stout, Blondine Volcano Coffe Stout e Guinness Draught.

Bock

A cerveja tipo bock é outra lager de aceitação mundial. É uma cerveja de baixa fermentação e alto teor alcoólico, que varia de 6% a 14%. Originária da cidade de Einbeck, na Alemanha, tem sabor forte e encorpado e sua cor é escura e avermelhada.

Para experimentar: Votus 003 Doppelbock, Therezópolis Rubine Bock e Anchor Bock Beer.

Ice

A cerveja ice nasceu em 1993 no Canadá. É fabricada por meio do “ice process”. Depois de fermentada, sofre um resfriamento à temperaturas abaixo de zero, quando a água se transforma em finos cristais de gelo. No estágio seguinte, esses cristais são retirados e o que permanece é uma cerveja mais forte e refrescante.

Para experimentar: Blue Ice

Estima-se que existam atualmente mais de 20 mil tipos de cervejas no mundo. Pequenas mudanças no processo de fabricação, como diferentes tempos e temperaturas de cozimento, fermentação e maturação, e o uso de outros ingredientes, além dos quatro básicos – água, lúpulo, cevada e malte – são responsáveis por uma variedade muito grande de tipos de cerveja.

Quer fazer sua própria cerveja em casa? Assista ao vídeo abaixo:

Anvisa libera fase 3 de testes da vacina contra dengue

A Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária – está se preparando para liberar a terceira e última fase dos testes da vacina que vem sendo desenvolvida contra a dengue, no Instituto Butantan. Nos próximos dias, a liberação desta vacina já deve ser oficializada, já que documentos recentes sobre os testes foram entregues ao Instituto no início desta semana.

Esta é a última etapa para protocolar o registro da imunização, quando serão avaliadas qualidade, segurança e eficácia do produto.

“Se a vacina se revelar eficiente, será uma grande notícia. Embora ela não traga impacto sobre a grande preocupação em saúde pública neste momento, que é o aumento de casos de microcefalia provavelmente relacionada com a infecção por zika, um imunizante contra dengue eficaz significará um alívio. Uma arma a mais para combater problemas trazidos pelo Aedes aegypti”, disse o presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa.

O pedido do Instituto Butantan para iniciar a fase III ocorreu em 10 de abril. A Anvisa disse considerar importante que seja disponibilizada em breve imunização segura e eficaz.

O desenvolvimento desta vacina é resultado de uma parceria entre o Instituto Butantan e os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH). A vacina é feita com os próprios vírus da dengue, que foram modificados para que a pessoa desenvolva anticorpos contra os quatro sorotipos da dengue sem desenvolver os sintomas relacionados a eles.

Mais de 17 mil pessoas já se candidataram para serem voluntários nos testes que serão iniciados ainda este ano. Estes voluntários receberão a vacina contra a dengue e serão monitorados para que os resultados possam ser analisados. O Hospital das Clínicas em São Paulo é que ficará responsável pela coordenação destes testes, em conjunto com 13 outros centros de testes pelo Brasil.

Entre os voluntários, estão adolescentes e até mesmo crianças, sendo que eles podem ou não já terem tido o vírus da dengue. Iniciado estes testes com os voluntários, espera-se que em até 1 ano esta fase seja concluída e se tudo der certo o registro da vacina é feito junto à Anvisa e o medicamento será distribuído no mercado.

Clique aqui e saiba outros detalhes sobre a liberação do teste da vacina no Brasil.

MÉXICO É O PRIMEIRO PAÍS A REGISTRAR VACINA CONTRA DENGUE

O México aprovou na última quarta-feira (09), uma vacina que será usada contra a dengue e deverá ser usada entre pessoas na faixa etária dos 9 aos 45 anos de idade. A eficácia desta vacina é de 60,8% e é contra os 4 sorotipos da doença.

A vacina contra a dengue do México será em 3 doses e com intervalos de 6 meses. O desenvolvimento deste medicamento durou cerca de 20 anos.

Dicas de cavaquinho para iniciantes

Muitas pessoas tem o sonho de aprender a tocar algum tipo de instrumento, e quando se trata de instrumentos musicais relacionados ao samba, o cavaquinho é um que bate o recorde de pessoas que querem aprender a tocá-lo.

Porém, muitas dessas pessoas com o tempo acabam simplesmente desistindo de aprender a tocar o cavaquinho porque possuem muita dificuldade e acham que não vão conseguir tão cedo aprender a como tocá-lo.

Com ou sem um mestre para lhe ensinar sobre a prática do instrumento, algumas dicas podem ser muito úteis no desenvolvimento de seu aprendizado, colaborando não só com o pleno entendimento sobre o instrumento como com o domínio da arte entre seus dedos, permitindo que você possa explorar o instrumento e desvendar seus mistérios por si mesmo, criando e inovando em seu toque.

Uma das dicas mais importantes para os para tocar cavaquinho, é compreender que pra tudo tem um tempo estipulado e variado.

Exemplo: Uma planta não cresce da noite para o dia isso seria um milagre da natureza. Uma criança não nasce falando, na verdade ela tem um certo tempo para aprender e se desenvolver até compreender o significado das palavras.

O que quero dizer é que se você esta começando agora não tem condições de executar um solo ou tocar um samba ou pagode etc.

4 dicas para aprender a tocar cavaquinho:

Treinar todos os dias

Dizem que tudo o que fazemos todos os dias pode nos levar a perfeição e aprender a tocar qualquer tipo de instrumento requer treino. Não há uma receita de bolo ou uma palavra mágica que eu possa te falar para tocar o cavaquinho, mas sim, te aconselho a treinar todos os dias.

Fazer aulas com profissionais

Muitas pessoas aprendem a tocar instrumentos sozinhos, mas a aula com um profissional de qualidade vai saber te guiar e te ajudar a tocar qualquer instrumento de maneira mais rápida, principalmente o cavaquinho.

Existem uma série de detalhes que muitas vezes não dá para aprender e tocar samba não é uma das coisas mais fáceis do mundo, confira neste artigo.

Dedicação

Tocar um instrumento em tempo recorde precisa de muita dedicação, pois para o cavaquinho em específico não basta apenas uma aula ou pouco tempo de treino, é preciso buscar sempre a motivação e se dedicar.

Estudar as notas

Para tocar este instrumento em um tempo recorde eu te aconselho a estudar as notas. Suas interpretações de notas são muito parecidas com as do violão e quando decoradas fica muito mais fácil de tocá-lo.

Quer aprender mais sobre cavaquinho? Clique aqui.